fbpx

MENU

MENU

13 3307.5064 | 13 3307.5065

EN PT

Açúcar

REAL FORTE DERRETE O PREÇO DO AÇÚCAR DE EXPORTAÇÃO E AMEAÇA O ETANOL
06/11/2020

Receba comentários semanais do mercado







 
“Se os porcos pudessem votar, o homem com o balde de comida seria eleito sempre,
não importa quantos porcos ele já tenha abatido no recinto ao lado. “
Orson Scott Card (1951)
Escritor americano
 
 

Uma semana de muita ansiedade com os mercados aguardando o resultado da eleição americana que – embora ainda sem números oficiais – deve dar a vitória ao candidato democrata Joe Biden.  O mercado de açúcar em NY teve o vencimento março/21 encerrando a semana a 14.91 centavos de dólar por libra-peso, alguns pontos abaixo do fechamento da semana passada. Já os demais meses ao longo de toda a curva que vai de maio/21 até julho/23 encerraram em alta que variou entre seis e nove dólares por tonelada.

O real teve uma espetacular valorização em relação ao dólar, com mais de 6.6%, fazendo com que o valor médio do açúcar para a safra 21/22 despencasse R$ 118 por tonelada na semana enquanto a safra 22/23 encolhesse R$ 111 por tonelada. Agora, para poder recuperar os mesmos valores da semana anterior, em tese, NY teria que subir 100 pontos.

Há muito temos comentado que o real é – junto com a moeda da Turquia – a que mais se desvalorizou durante a pandemia. E que em algum momento essa desvalorização acima do normal teria que corrigir. Não dá para afirmar que a reversão veio para ficar, mas lucro no bolso nunca fez mal a ninguém. Precisamos observar como o mercado mundial vai se comportar a partir da confirmação da eleição de Biden.

Real mais forte com o petróleo circulando entre 40-45 dólares por tonelada vai forçar a Petrobras a reduzir o preço da gasolina na bomba pressionando o etanol. Por outro lado, as vendas de etanol continuam se recuperando e devemos ter preços remuneradores na entressafra em função da previsão de um estoque de passagem bastante reduzido.

A equação de equilíbrio sofrerá mudança nas suas variáveis caso o caminho do real seja o de continuada valorização. E o esperado mix maximizando a produção de açúcar para o ano que vem pode não ocorrer.

O governo indiano tem indicado que não vai estender o subsídio na exportação para o ano safra recém iniciado naquele país. Segundo o ministro do Comércio e Alimentos, Piyush Goyal, os subsídios ocorreram nos últimos anos para reduzir os estoques excedentes e compensar as usinas no pagamento de cana aos fornecedores. Tem uma tal lei da oferta e da procura que diz que quando a quantidade ofertada de certo produto ocorre (açúcar indiano que iria para a exportação, mas sem subsídio vai ficar em casa) os preços caem. Se essa lei não foi “revogada” os preços internos da Índia vão cair. Rumores circulavam na semana que o subsídio poderia ser reduzido para 5,000 rúpias dos atuais 10,448.

Os fundos finalmente reduziram um pouco a posição comprada em 17,000 lotes. Agora, possuem 245,500 lotes.

A vitória de Biden vai obrigar o presidente Bolsonaro a entender que os países não tem amigos e, sim, interesses. O prejuízo à imagem do Brasil lá fora capitaneado pelo governo se configura em alarmante possibilidade de o País perder espaço na liderança do agronegócio – entre outros motivos – pela declarada sinofobia do ocupante da presidência.

O fortalecimento do real fica em constante xeque porque até o momento o governo não tem um orçamento aprovado para o ano que vem, não existem políticas públicas de investimento, o ministro da economia é um triste fantoche do presidente, e nenhuma das inúmeras promessas de campanha de Bolsonaro foi cumprida. O que há, de sobra, é o gosto pelo enfrentamento com quem quer que seja que ouse confrontar suas parvoíces.

Ainda bem que o pujante agronegócio brasileiro carrega o Brasil nas costas torcendo para que nossos parceiros comerciais, em especial a China, não prestem atenção às falas do presidente brasileiro. Bolsonaro ignora que em 2019 nossas exportações para a China somaram US$ 63.3 bilhões e que em 2020 já somam US$ 53.3 bilhões. Imagine a destruição que causaria à nossa economia um eventual embargo chinês aos produtos brasileiros em represália às grosserias e bravatas do capitão. Esse estrago só não seria maior do que a herança que Bolsonaro vai deixar para os brasileiros que nele confiaram.

Que pena! Agora só em março de 2021 !!!  Aproveite os últimos dias de inscrição para os dois cursos recém lançados pela Archer Consulting, inteiramente on-line, ao vivo/pré-gravado: o Curso Essencial de Futuros em Commodities Agrícolas e o Curso Avançado de Opções em Commodities Agrícolas.  Mais informações no e-mail priscilla@archerconsulting.com.br

Tenham um excelente final de semana.

 

Arnaldo Luiz Corrêa

Saiba mais sobre nossos cursos in company

Confira valores, disponibilidade e datas.

Estou interessado

Café

SEMANA GUIADA PELO “WHEATHER MARKET (CLIMA)” e FUNDOS!

21/11/2020

ler mais

Açúcar

BRASIL PODE TER QUEBRA DE 4 MILHÕES DE TONELADAS DE AÇÚCAR NA PRÓXIMA SAFRA

20/11/2020

ler mais

Café

AINDA UM LONGO CAMINHO PELA FRENTE!

14/11/2020

ler mais

Receba comentários semanais do mercado